Uma introdução ao mundo da realidade virtual e como ela está transformando a indústria.

Atualizado: 17 de ago.

Um guia para iniciantes querem entender mais sobre o novo universo que está se desenvolvendo.


Como definimos a realidade virtual? O que pode ser considerada uma bem sucedida experiência de imersão que nos permita sentir, em toda a sua essência, um ambiente virtual?


Para atingir todo o potencial que a realidade virtual pode proporcionar, precisamos superar alguns desafios.



Primeiramente, é necessário que o ambiente virtual seja realista, não necessariamente em termos gráficos, mas é necessário que você realmente acredite que está lá e sinta imerso, quase como se você tivesse sido teleportado para um outro universo.


Independente da VR ser direcionada para entretenimento, para treinamento, ou algo para design de produto, para que o nosso cérebro a entenda como uma experiência realista, é necessário que o ambiente tenha escalas humanas reconhecidas, tenha elementos que o nossa mente já esteja familiarizada no mundo real, para que você sinta que um objeto virtual de fato esteja lá, na sua frente e ao alcance das suas mãos.


Além de realista, o ambiente virtual precisa ser interativo. Pode ser algo simples como caminhar e movimentar seus olhos ao redor do espaço, ou algo mais complexo, como interagir com objetos, segurar algo, trocar texturas ou movimentar móveis em um ambiente. As possibilidades de interação são infinitas. Essa interatividade precisa corresponder aos movimentos do mundo real. Se você movimentar a sua cabeça, por exemplo, é necessário que tudo nesse espaço siga o mesmo movimento em tempo real para que a experiência de imersão seja satisfatória.


A realidade virtual também precisa ser explorável. O ambiente precisa permitir que o usuário tenha uma experiência personalizada no espaço, de modo que, como no mundo real, cada usuário interaja com o ambiente de uma maneira única e pessoal. Esse é um dos principais pontos que diferenciam a experiência de imersão virtual. É necessário que se deixe em aberto as infinitas possibilidades de algo ser explorado. Por exemplo, se é estamos falando de design de produto, queremos que as pessoas tenha a possibilidade de realmente experimentar aquele produto, seja ele um componente de um veículo, ou um veículo completo, de forma que as pessoas possam manipulá-lo, girar de um lado para o outro, substituir peças, trocar cores ou mesmo entrar dentro do objeto para ver detalhes de design ou entender exatamente como algo funciona. Esse é um dos objetivos finais da realidade virtual: permitir que as pessoas experimentem coisas ou lugares à sua própria maneira, exponencializando seu potencial criativo e, de certa forma, democratizando o conhecimento à medida que a tecnologia se torna cada vez mais acessível.


Em resumo, para uma experiência de realidade virtual ser bem sucedida, ela precisa ser imersiva e, para ser imersiva, ela precisa ser realista, interativa e explorável. É preciso garantir que você realmente esteja completamente cercado pelo ambiente virtual e sinta todas as sensações que ele possa provocar.


Pensando em potencial de transformação de mercado, nós estamos vendo um aumento crescente do uso da realidade virtual em todo tipo de indústria. Fala-se muito da realidade virtual na indústria de games e entretenimento, mas a tecnologia vem sendo cada vez mais utilizada no desenvolvimento de manufaturas, no mercado de arquitetura e construção civil e em especial para treinamentos e simulações dentro das empresas.



Como a VR pode de fato impactar a indústria?


Listamos a seguir 8 pontos considerados essenciais para que a experiência imersiva de uma realidade virtual seja bem sucedida.


Título n.º 1: Por que este tópico é importante?

Título n.º 2: Quais são os itens essenciais do seu guia?

Título n.º 3: Seus leitores estão se sentindo empoderados?


 

1: Mais rapidez no processo de prototipagem e design.


A realidade virtual reduz o risco do design do produto, permitindo interações e mudanças em tempo real. Diferente de quando se trabalha apenas com um modelo 3d na tela do computador, a VR permite trabalhar o objeto em uma escala de 1:1, proporcionando a mesma experiência que um protótipo físico em tamanho real pode oferecer, porém, dentro de um ambiente virtual.

Esta é sua chance para que seus leitores se animem com o seu guia e entendam o real valor de ler o post inteiro.


2: Reduz o tempo de lançamento do produto no mercado.


A VR possibilita que se trabalhe o design de uma maneira mais eficiente e precisa, reduzindo o tempo de projeto. Ela permite que você encontre problemas de forma mais rápida e os conserte de maneira mais eficiente, antes mesmo de pensar no desenvolvimento de um protótipo físico. Isso pode acelerar bastante a inserção do produto no mercado.


3: Aumenta a agilidade e flexibilidade dos negócios.


A ideia de poder testar produtos em um ambiente virtual - um liquidificador, um componente de motor ou um veículo, por exemplo - em escala real, antes de se comprometer com um produto físico, torna o processo mais ágil e flexível a mudanças, podendo aumentar o potencial criativo do produto, ao mesmo tempo que se diminui o seu tempo e o custo de desenvolvimento. É possível fazer uma infinidade de testes rapidamente antes de se comprometer com a produção de um protótipo físico.


4: Simulação e treinamento


Uma das utilizações mais interessantes da realidade virtual atualmente se dá em simulações e treinamentos. A ideia de produzir um ambiente virtual, controlado e livre de riscos , para simular, por exemplo, a operação de um veículo ou de uma aeronave de passageiros, antes mesmo de se sentar em um desses meios de transporte, pode revolucionar toda a transmissão e gestão de conhecimento dentro de todos os setores da sociedade.


Imagine poder gerenciar um treinamento para uma missão espacial, ou para controlar um incêndio; criar um ambiente que provoque uma sensação muito similar ao que a pessoa irá experienciar no mundo real. Agora reflita como isso pode deixar um profissional muito mais preparado emocionalmente, confortável para enfrentar um perigo real - uma vez que, mentalmente, ele já terá passado por situação similar - e mais confiante em seu processo de tomada de decisões. Isso tudo em um ambiente controlado e seguro, completamente separado dos perigos que um mesmo treinamento no mundo real poderia proporcionar. Isso pode ou não pode revolucionar todas as indústrias em um futuro não muito distante?


Não só pode, como isso já está sendo feito e nós da Cantuá fazemos parte dessa revolução.




7 visualizações0 comentário